sábado, 24 de dezembro de 2016

Nós. Os três!




Não é pelo que desejas, é pela maneira com que o fizeste, e o dizes agora!
-Foder com dois? Foder contigo e com outro? Querias que pedisse como?
Não há maneira de o pedir, não é? E também já tive a minha dose.
-E se bem me recordo, adoraste… a Cátia não fala de outra coisa, que tu e eu fomos a maior e melhor foda.
Temos que voltar a dar mais uma…
-Do que esperas? Liga-lhe e pede que venha cá no fim-de-semana, passa cá o fim-de-semana e será tudo aquilo que desejas e desejo. Mas por agora, deixa-me ligar para aquele que respondeu ao anúncio que coloquei sem que soubesses…
Pois, sem que eu soubesse. Mas sim, liga-lhe.
-Hoje ás 23h! No Hotel, em Matosinhos. Podemos jantar e meter na conta do quarto que está reservado no nome dele. Depois subir ao quarto a essa hora.
Jantar saboroso, nervoso miudinho e bastante tesão em volta.
-Arranja uma distracção e vai ver como me encontro, por debaixo da mesa.
Que tesão… sem cueca e com essas bolinhas chinesas bem dentro da cona. Adoro!
Subimos ás 23h. Já se encontrava no quarto a aguardar a nossa chegada.
Perto dos cinquenta anos, charmoso, cheiroso, culto e avantajado. Tal como tinha pedido no anuncio.
De poucas palavras, mas com muita tesão. Champanhe aberto, roupas espalhadas pelo quarto do hotel.
-Venham cá os dois… tratem de mim!
Primeiro as algemas e depois a venda nos olhos. Agora estás à nossa disposição!
Seu cheiro percorreu-lhe o corpo quando se aproximou e a fez engolir aquele caralho bem avantajado. Fazendo-a parar, por se engasgar…
-Foda-se… quero mais, quero voltar a tentar engolir.
Engolir… palavra que o fez soltar um “ hummm “ tão audível que a fez estremecer.
Mesmo de olhos vendados, de mãos presas atrás das costas, aquele caralho foi todo ele sugado, todo ele naquela boca quente enquanto por traz e com as mãos a serem puxadas, ia sendo fodida no cu, com toda aquela tesão que o marido tinha e sentia ao vê-la engolir tal membro.
Bebe um pouco de champanhe, tira-lhe as bolas chinesas e pega-a ao colo.
*Deita-te na cama, que já a faço entrar nesse caralho.
Ele deita-se, com as duas mãos agarra no seu membro para o manter bem direito enquanto o marido a faz deslizar sobre aquele caralho tão grande.
Solta um gemido de prazer… fica sentada e vai se satisfazendo com aquele membro bem teso e enorme na sua cona… Tratando-a como uma deusa, deixa que se satisfaça naquela tesão, enquanto lhe vai alternando entre a fazer engolir também o seu membro e lhe mordendo suavemente os seus mamilos.
Ele vem-se como nunca antes tinham visto… ele estremece, ele grita, ele geme, ele deita tanto esperma que toda ela fica untada dele.
Levanta-a e faz entrar aquele membro já não tão teso, mas ainda carregado de esperma, naquela boca quente e carente. Lambe cada pedacinho, cada gota e saboreia-se. Passando a língua pelos lábios. Sem saber, acaba por excitar em muito, o seu marido.

Baixa-lhe a cabeça até pousar na cama, agarra as suas mãos e fode-a com toda a tesão, deixando uma mistura de esperma pela sua intimidade… Tiram as algemas e a venda, colocando-a no meio, um pela frente outro por traz, fazem-se entrar uma vez mais nela. Um na cona, outro no cu e assim terminam como ela tanto desejava que terminasse aquele seu fetiche. A ser fodida por dois, sem vergonha, com muita vontade e prazer.

Sem comentários:

Enviar um comentário