quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Momentos inesperados...




Vens a Lisboa?
-Sim, mas apenas de passagem. Tenho apenas duas horas até apanhar o avião para França.
E…
-E, pensei que poderíamos nos ver, matar saudades.
Sabes que tenho uma pessoa.
-Sei, sim. Mas não me quero casar com ela, não a quero ver, nem matar saudades dela. Quero-te a ti.
A que horas chegas?
-Perto das 15h à Rotunda do Relógio.
Lá estarei.
Rotunda do Relógio, perto das 15h e lá estou eu… Antes de me aproximar, admiro a paisagem…  cabelos lisos, pernas branquinhas, pés sensuais com um verniz a realçar a sua beleza.
Não irei conseguir resistir…
Oi! Tens alguma ideia de algum local onde possamos ir?
-Tua casa, pensei eu. Mas não quero deixar o meu cheiro e tesão pela casa. Que tal aqui no carro…
Diz-me isso e segundos depois, começa a desapertar-me o fecho das calças…
-Já teso… Gosto! Não percas a concentração na estrada.
Mas vais chupar enquanto conduzo?
-Mais concentração, o resto, deixa comigo.
Deixa-me exposta a glande, de tal maneira que me causou um ardor, tal era a excitação, tal era o desejo de a engolir por completo. E engole por completo.
Bruta! Pensei eu…
Afunda o rosto no meu colo, fazendo entrar cada centímetro na boca, apertando-a e deixando-a latejar de tal maneira que foi impossível ter toda dentro da boca. Agarro-lhe nos cabelos e afundo ainda mais o meu caralho,naquela boca quente. Largo-a, deixo-a respirar…
-Continuas um cabrão, rasgas-me a boca por completo.
Cabeça sobe e desce, cada vez mais rápido, apanha o cabelo, olha-me de esguelha, sorri… levanta a saia, cueca para o lado e pede-me os dedos dentro da cona. Obedeço. Geme ao sentir os quatro dedos da mão direita bem dentro dela…
Paro o carro… no parque junto à antiga feira do relógio.
-Parar? Ok, continuamos aqui mesmo…
Não consigo me concentrar… estou a vir-me aos bocados. Digo-lhe!
-Senti, mas quero sentir mais leite a escorrer pela minha boca, o que engoli é pouco, quero mais.
Com os quatro dedos, exploro toda a sua cona, faço-a gemer que nem uma puta.
Puta tão boa...
-Ainda não viste nada, sou tão gulosa, vais ver quando engolir tudo o que tens para me dar.
Saboreio os dedos que exploraram aquela cona rapadinha, aquele cu exposto ao sol. Sinto-me cada vez mais teso… cada centímetro é exposto, e erguesse naquele momento.
Acaba por se vir, morde-me a glande, fazendo com que solte um gemido de dor.
Faço-te vir e ainda me mordes…
-Puta! Diz-me que sou a tua puta boa.
Pede-me enquanto ainda se sente trémula com o orgasmo atingido à momentos.
E com um chupão enorme no caralho, acaba por me fazer deitar todo o leite naquela boca… mais do que ela esperava, escorre-lhe pelos lábios, pelo queixo e acaba por se misturar com a transpiração que lhe percorre os seios.
-Carrego em mim o teu cheiro… teu sabor, teu toque. 
-Que saudades disto...


#L611 #BurningW  

1 comentário: