quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Jogos de prazer... Final!




Este nosso jogo terminou sem regras… entrega, vontade, desejo e muita paixão.
Não sei mais como te pedir para continuarmos com estes jogos… ainda para mais, sendo a tua casa o palco escolhido para a nossa quarta entrega.
Ligo… atendes…
Hoje queres continuar a nossa aposta, o nosso jogo?
-Estou cansada… e…
Caiu-me tudo… Desligo a chamada. Paro uns segundos para tentar me recuperar daquele choque e volto a ligar.
Desculpa, a chamada caiu…
-Não tem mal… Como estava a dizer. Sinto-me cansada e, preciso mesmo de uma massagem e de te ver. Quero mesmo e preciso mesmo de continuar este nosso jogo.
FODA-SE! Só me apetecia gritar e bater com a cabeça nas paredes… 
MAIS UMA VEZ COM ELA!
Sexshop… Óleo relaxante, vela com aroma a chá verde e vibrador de massagem de clítoris…
Chego atrasado… começo mal! Toco à campainha a porta abre e…
Como relatar o que os meus olhos avistam…
Onde devo esconder estas coisas que comprei… Quem será que vai receber a massagem?
Toalhas no chão, velas acesas, incensos, óleos e musica…
Ela… olhos pintados, vestido tailandês e … e só o vestido mesmo. Meu Deus!
-Antes de começarmos… sou a massagista, tu és o meu cliente. Eu dito as regras, tu obedeces… Eu mando calar, tu calas. Eu falo, tu ouves.
Não estavas cansada?
-Estou… mas não de ti! Despe-te, deita-te e desfruta.
Despi-me em menos de dez segundos, tal era a vontade. Perdi-me nestes jogos e sei que hoje, será o fim…
Despido. Deito-me… Já estou tão teso que se caísse aqui uma toalha, parecia uma tenda da Decathlon, de montagem rápida.
Ela olha-me… ajoelha-se, deita parte do óleo sobre mim, peito, pernas, pés e por último no meu caralho… aquele misto de frio com quente.
Toca-me nos testículos e depois com as duas mãos segura-me o caralho… cima, baixo… apertado, leve… lento, rápido…
-Não percebo nada de massagens. E segundos depois, levanta aquele vestido, sem nada por baixo, aproxima-se e deixa-se cair sobre o meu caralho… que aperto, que aterragem sem aviso.
Levanta-se… saio dentro dela. Não quero parar, porque o fizeste…
Avança um pouco mais, agarra-se à mesa da frente e faz-me lamber e roçar naquela vulva. Roçasse, e faz-me saborear todo aquele prazer.
Deixa rasto do seu prazer sobre o meu rosto… Sai, recua… volta a fazer-me entrar naquela imensidão de prazer. Enquanto se vai satisfazendo, baixa-se, roça os seus mamilos nos meus mamilos e com a língua, lambe tudo aquilo que momentos antes me tinha dado. O seu prazer, o seu néctar!
A sua língua percorre o meu pescoço, queixo, lábios… explora-me a boca e a sua língua dança com a minha ao som dos nossos gemidos, do som das nossas investidas, do óleo derramado e da luxúria dos nossos fluidos.
Já tiveste o teu orgasmo e já escorre todo o meu esperma por ti… Tu e eu sabemos que preciso de recuperar para continuarmos… mas não paras.
Quando o sentes já sem a dureza que desejas, sem as veias salientes… recuas. Percorres as tuas unhas desde o meu peito até às virilhas.
Colocas todo esse meu desejo na tua boca… chupas, lambes e paras… Olhas para cima, bem nos meus olhos e…
Quando te preparavas para dizer algo, interrompo-te!
Não suporto mais estes jogos... Quero-te a ti, hoje e para sempre... rendo-me!
-Eu também me rendo e quero-te muito... Mas se pensas que ficamos por aqui… 
meu menino, estás bem enganado. A noite, ainda é uma criança!  

#L611 #BurningW 

Sem comentários:

Enviar um comentário