quarta-feira, 9 de novembro de 2016

F*** my mind!



Aqui deitado na cama, sinto-me completamente arrasado por ti.
Afasto todos os lençóis de seda. E deito-me sobre o quente que deixaste no canto da cama.
Ainda sinto o corpo a tremer
Hoje confesso aos céus, ao vento… Hoje não sei quem fodeu quem.
Soubeste como me foder sem me tocar.
Entraste em mim, sem que eu entrasse em ti.
Com falinhas mansas, com carinhosos “olás”, com desejo-te, com vontades, com palavras provocadoras… aos poucos foste invadindo e fodendo todo o meu ser.
Entraste como um anjo, uma senhora… Sais-te daqui como uma sedutora, uma pecadora, uma puta. Uma puta na cama, uma senhora na rua. Sem dúvida que te assenta que nem uma luva.
Nestes lençóis, sinto o quente, o teu calor. Ainda sinto o teu cheiro.
O teu sabor ainda me percorre. Fundindo-se com o meu sabor.
Os nossos fluidos formaram a essência do prazer. Há muito procurada e não encontrada.
De fotos e vídeos o teu corpo já conheço.
De fotos e vídeos o meu corpo já conheces…
Dizia-me ela, segundos depois de abrir a porta da sua casa, onde nos encontramos.
Não sei o que esperas de mim hoje, nem eu quero saber o que pensas me fazer. Mas, despe-te, e vem ter comigo ao banho.
Isto tudo dito sem um beijo, sem um abraço ou uma carícia. Estranha sensação.
Caminho em direcção ao banho e por de trás do resguardo da banheira enorme, via-se aquele corpo maravilhoso. Seios enormes, rabo redondo, pernas e pés perfeitos. Já se encontrava com um dildo bem dentro da sua cona. Corpo curvado, uma mão na parede da banheira, outra com o dildo bem dentro da cona, água a escorrer-lhe pelo corpo…
Entro e sinto o meu caralho a enrijecer. Ainda seco, e sem qualquer fluido libertado. Sem sinais da primeira gota de prazer. Mas teso e duro.
-Mete-o bem dentro do meu cu. Estou quase…
Doeu-me a entrar. Doía-me cada estocada dada à bruta. Mas aquela visão… valeu por qualquer sensação.
O meu caralho teso bem fundo naquele cu, enquanto ela gemia, e se penetrava com aquele dildo preto, enorme.
Sinto que já libertei muito de mim, o meu caralho escorrega, e cada estocada dolorosa que sentia, passa a ser estocadas de prazer, tesão e já todo ele enfiado no cu.
Ela vem-se… Com um gemido enorme. Fazendo-a perder forças. Quebrando…
E faz sair o meu caralho de dentro do seu cu.
Ajoelha-se. Com as duas mãos, agarra-me no caralho e chupa cada vez mais rápido e fundo. Fazendo-se engasgar com ele, fazendo-o tocar tão fundo que os barulhos daquele broche me causavam arrepios.
Venho-me para a sua boca. Escorre todo aquele leite pelos seus lábios, ao mesmo tempo que com os seus olhos bem abertos, me olha bem lá de baixo. Sorrindo e deixando que aquele meu prazer lhe escorra pela boca. Sobe devagar, agarrando-se ao meu caralho e peito.
Perto dos meus lábios, abre a boca, mostra-me o que ainda tem do que lhe deixei…
Engole.
Coloca a língua de fora e lambe-me desde os queixos até à ponta do nariz… Beija-me loucamente.
Ela sai, eu saio… Caminho para a cama, e… não está lá.
Mas sinto tudo como se tivesse sido real.
Terá sido real? Terei imaginado?
Olho para o meu peito e vejo-me todo encharcado de mim, e com o caralho tão teso.
Terei te desejado tanto que a tua alma me veio saciar…
Se me fodes a mente, fodes-me e tens-me como ninguém…                


#L611 #BurningW 

1 comentário: