quinta-feira, 10 de novembro de 2016

És passado...



Minha querida,
Hoje escrevo-te estas letras para te avivar a memória.
Deixaste-me, recordas-te?
Foi duro, aliás, doeu para caralho mesmo.
Publicaste imensas fotos no facebook, do novo visual, da tua alegria ( fingida ), das tuas viagens, das tuas paixonetas e das noitadas.
Escrevias sobre a felicidade, de como era bom voltar a sorrir, do que é ser fiel, de como detestavas pessoas inseguras ou que te tiravam a segurança.
Sabes uma coisa? Li cada palavra no silêncio do dia e da noite, derramando lágrima por lágrima a cada letra prenunciada por estes lábios que te beijaram com amor, vezes sem conta.
Vi cada foto tua e desejei estar a teu lado, ser eu a pegar-te na mão, te levar a caminhar na praia de Carcavelos onde tiraste a foto com um outro alguém, dias após termos terminado.
Desejei ser eu a companhia naquele jantar no sushi, desejei ser eu a levar-te ao concerto em Algés…
Sabes quantas vezes toquei no telemóvel para ver se tinha mensagens tuas ou chamadas? Nem eu sei, foram tantas que nem dormia, que nem me alimentava, que nem respirar direito conseguia.
Quero com estas palavras te avivar a memória minha querida, pois foi assim que me senti estes últimos meses. Um alguém que não tinha a sua alma presente, apenas sobrevivia sem ter prazer de viver.
Ainda te lembras como terminaste comigo? Eu queria te avivar a memória.
“ Acabou! Acabou! Já não te amo. Sê feliz, mas longe de mim. “
E após soltares tais palavras que acompanhadas com facas que me trincharam o coração.
Por acaso sabes que se houvesse um peso de uma medida para o amor, teria tanta dificuldade em ter esse peso e essa medida para o amor que sentia por ti. Pois é, não sabes, nem nunca mais vais saber. Pois foi mais fácil ir pelo caminho curto, pelo caminho dos fracos. Abandonar!
Hoje, enquanto te escrevo, em resposta à tua curta mensagem… “ Oi, sinto saudades tuas. “ Ainda correm uma meia dúzia de lágrimas, porque o bom continua cá e o mau, está no baú que fechei com a chave que atirei ao mar.
Avivo-te a memória para que nunca te esqueças quem fomos…
Ama com o coração, ama com os teus ouvidos, com os teus olhos, com a tua pele e paladar… não ames com o corpo alheio. Foste traída pela confiança cega da conversa das amigas e amigos, por opiniões distintas, por afinidades e tanto mais. Perdes tanto com isso, e essa sim, foi a única traição que tiveste enquanto foste amada, amada por mim.
Libertei-me do passado. Vivo o presente...

#L611 #BurningW 

Sem comentários:

Enviar um comentário