terça-feira, 1 de novembro de 2016

Dominado!




Recebo e leio a tua sms madrugadora.
- Hoje tirei a manhã, tarde e noite. Podemos nos encontrar no hotel de costume? Estou sozinha!
Digo que que sim. À porta do hotel, encontro-te a tratar do check-in. O olhar da recepcionista, não engana. 
Já nos conhece… fico com o rosto rosado, após aquele sorriso, piscar de olhos e o bom dia tão doce.
-Parece-me que ela engraçou contigo.
Não sejas tonta. Ela já nos conhece. Já sabe para o que vimos, apenas isso.
-Apenas isso… Seria melhor se fosse ela a ir contigo para a cama, não seria?
Não. Contigo é perfeito.
-Parece que estava a adivinhar que hoje algo não iria correr bem. Mas, melhor ainda.
Que queres dizer com isso?
-Já vais ver.
Entramos no quarto, ligo a TV no canal erótico, sem som. Ligo o Ar condicionado e começo a despir-me.
-Vou tomar um duche, já volto.
Sais do duche e …
Dominadora? Que é isto? Chicote? Se já és bruta sem acessórios, hoje parece-me que vou sofrer.
-Deita-te, abre as pernas e os braços, e deixa-os esticados. Hoje, tenho algemas suficientes.
Algemado às quatro pontas da cama, fico privado de movimentos.
De saltos altos e vestida de preto, sobes na cama, abres as pernas bem por cima do meu caralho. Despejas quase um frasco inteiro de óleo, sobre mim… Agarras firme no chicote e dás-me duas chicotadas no meu peito, uma em cada mamilo.
Isso dói! Caramba, que bruta.
-Dói? Se fosse a recepcionista não ia doer, não é? É novinha e tal…
Quem te disse isso? Vá, se é para discutir, não quero nada.
-Calma… Deixa-me ser a personagem que quiser, deixa-me te tratar como quiser. Hoje, vais me ter como nunca me tiveste.
Não sei se deva ficar contente por isso. 
Com um salto, pisas-me o mamilo, quase o esmagando.
Que se passa contigo?
-Calma! Transforma a dor em prazer.
Ajoelhas-te, e apertas-me os meus dois mamilos tesos. Abres-me a boca e enfias quatro dedos bem dentro dela, após os teres passado na tua cona.
Nunca te disse mas, a tua cona deve produzir algum tipo de álcool que vicia… é suave ao início mas, depois de degustado tornasse intenso, vicia.
Recuas e fazes com que a tua cona massaje o meu pénis. Cada vez mais teso, difícil de manejar ao teu gosto, de tão teso que está.
O óleo já me percorre todo o corpo, e ainda bem que assim foi.
Sentas-te de perna aberta entre as minhas pernas, com uma mão agarras-me o caralho e apertas bem forte. Com a outra, massajas-me o ânus… estremeço.
Tento levantar o rosto, para perceber o que estarias a fazer mas, estou muito preso de movimentos.
Estou a gostar, mais do que pensei… Tentas quebrar o momento quando vês que já escorro em fio, pouco para o que desejas mas, muito para o normal.
Fazes-me quebrar um pouco, quando me apertas com muita força o caralho e o enfias na boca. Mordes-me a glande.
Voltas ao mesmo, masturbas-me, massajas-me o ânus e fazes-me vir. Venho-te tanto que me chega perto do queixo. De gatas, lambes-me os testículos, onde à momentos tinha caído as primeiras gotas deste meu prazer, até que chegas ao meu pescoço. Engoles até à ultima gota do que saiu de mim, do que criaste em mim.
Beijas-me a boca, mordes-me os lábios. Ao mesmo tempo que agarras-me nos cabelos com força. Sussurras-me ao ouvido…

-Se voltas a olhar para aquela putinha lá em baixo… até a tua alma, vai pedir piedade!
Engulo em seco!

#L611 #BurningW


Sem comentários:

Enviar um comentário