sábado, 19 de novembro de 2016

Dance with pleasure




Recuaria no tempo…
Não pedia só uns minutos. Talvez umas horas…
Recuaria até ao momento em que inalei o teu cheiro. Até ao momento de beijar teu rosto, te tocar.
Recuaria, até ao momento que me tocas, sorris, abraças.
Tirava-te do palco, e levava-te para o nosso palco.
Dava-te a mão, e entravas como uma menina, de mão dada comigo.
Fechava a porta, acendia a luz. Beijava-te o rosto.
Encostava-te a essa porta fechada, e largava-te a mão.
Com um pé afastava-te as pernas. Ajoelhava-me. Com as duas mãos, percorria o interior das tuas pernas, subindo naquele vestido justo e elegante. Sentindo cada milímetro de pele arrepiada, branca. Tocando nas tuas cuecas, onde com um dedo de cada mão as retirava.
Fazendo-as cair a teus pés. Depois, retirava os teus saltos altos, olhava-te de joelhos, com aquele olhar carregado de vontade.
Descalça e apenas de vestido… volto a pegar-te na mão, fazendo-te quase flutuar naquele chão frio do nosso palco.
Arrasto uma cadeira, sento-me. Afasto-te de mim. Ordeno-te.
Agora… Agora, dança para mim.
Teus olhos brilham…
Começas a cantar a tua música favorita, e danças como uma deusa. Ali, só para mim. No palco que escolhi para nós.
Paras de cantar, paras de dançar… Tiras os óculos, com um pé, afastas a cadeira onde me encontro sentado. Colocas uma mão na parede e começas a fazer deslizar esse vestido pelo teu corpo.
Voltas-te e sorris. Sorris, como quem está a gostar de me seduzir. Provocas. Mas, anseias pelo momento em que me virás a ter.
Nua. Caminhas na minha direcção.
Abanas o rosto, a cabeça. Fazendo os teus cabelos voar… libertando um cheiro suave. O nosso palco tem a tua presença, a tua beleza e o teu cheiro.
Despes-me.
Uma mão no meu ombro apoia e sentas-te em cima de mim. Outra mão no outro ombro e aproximas-te do meu ouvido.
Sussurras.
-Assim que entrares em mim, vais tocar no céu.
E assim foi…
Aqueles olhos junto aos meus. Aquele respirar. Aquele sorriso maroto.
Aquela pele quente e arrepiada. Junto à minha.
Foi uma viagem onde a minha alma foi em segundos tocar no céu.
Aquele corpo esguio, aquele abanar de cintura no meu colo.
Foi sentir o meu caralho a entrar naquela cona quente. Minhas mãos no teu rabo a puxarem para mim, ela a afastar… movimentos fortes, sensuais e intensos.
Nossos corpos fundidos, nossos suores unidos e os nossos gemidos criando a melodia do prazer.
Nosso respirar intenso ao mesmo tempo que as nossas línguas se descobriam e nossos lábios se entregavam.
Com uma palmada marco-lhe o rabo, com a outra mão, puxo-lhe o cabelo. Deixando aquele pescoço à minha mercê. Soltando beijos e lambidelas. Fazendo-a ter um orgasmo onde as nossas almas, numa dança, lá bem no alto, se encontravam.
Sorriam…
Brilhavam.
Foi intenso, foi um recuar no tempo.
Foi foder-te, como gostarias ter sido fodida.
Foram as nossas almas a regressar aos nossos corpos, com um sorriso.
Diria, um sorriso maroto.

#L611 #BurningW 

Sem comentários:

Enviar um comentário